[Talk-br] Mapeando áreas

Fernando Trebien fernando.trebien em gmail.com
Quinta Agosto 8 19:49:29 UTC 2013


Teoricamente, você pode mapear as áreas das ruas (só não é praticado,
provavelmente porque não há muita utilidade e porque é muito
trabalhoso). O Mapnik parece considerar essa possibilidade para as
vias "pedestrian" (que servem também para a área de "plazas" ao
combinar com a tag "area"). Um exemplo aqui em Porto Alegre, com áreas
"pedestrian" e vias "pedestrian" combinadas:
http://www.openstreetmap.org/?box=yes&bbox=-51.2281087%2C-30.0284035%2C-51.2268006%2C-30.0277769#map=18/-30.02809/-51.22745

Acho que o mesmo vale para as hidrovias, onde (forçando um pouco a
idéia) o contorno da água representaria o contorno da via e a linha
que passa dentro da água representa o percurso típico do barco.

(Não cheguei a testar a combinação de "area=yes" e
"highway=residential" pra ver se o Mapnik se comportaria da mesma
forma.)

(Acredito que os programas de mapeamento também esperam esse estilo de
mapeamento, combinando via e área, pois nenhum traça rotas dentro de
áreas supostamente navegáveis.)

Conclusão: melhor mapear as áreas (das praças ou de qualquer outra
coisa, como edifícios) sem colá-las nas ruas. Além da dificuldade de
selecionar no editor, dá um trabalho enorme mudar a forma de
mapeamento quando outros detalhes são acrescentados (calçadas,
ciclovias, etc.). Se você estivesse mapeando a área da praça e a área
da via (além da linha do percurso, que é o que mapeamos hoje), as duas
áreas poderiam ser coladas uma na outra e isso seria exato (mas daí
talvez até seria melhor usar multipolígonos).

2013/8/8 Nelson A. de Oliveira <naoliv em gmail.com>:
> 2013/8/8 Vitor George <vitor.george em gmail.com>:
>> Se a rua é o que delimita onde a praça termina, porque não mapear assim?
>
> O problema inicial é que a rua (que também é uma área na verdade) é
> representada como linha, enquanto todas as outras áreas (praças, etc)
> são de fato representadas como áreas.
> Se for ver o que está "errado", é área da rua que não está
> representada de forma correta (e não a praça). Grudando a praça na rua
> você acaba deixando a praça errada (ver abaixo).
>
>> Eu não sei se existe alguma recomendação contraria a isso, mas quando mapeei
>> de outra maneira ficou um "vácuo" entre a área e a rua, e não me pareceu
>> correto.
>
> Aí cai naquilo de mapear para o renderizador.
> A praça possui um contorno determinado. Se você grudar esse contorno
> nas ruas ao redor você vai estar representando algo que é diferente da
> realidade (vai ficar bonito no mapa, mas não vai indicar o tamanho,
> área, contorno ou posição real da praça).
>
> Não me parece certo grudar as áreas para contornar a limitação da
> representação da rua (uma linha)
>
>> Existem um recomendação fechada sobre esta questão?
>
> Vamos achar tanto quem diz que é certo quanto quem diz que é errado :-)
>
> Eu digo para não estimular a grudar as áreas por dois motivos: as
> pessoas geralmente criam vias sobrepostas (ao invés de utilizar
> multipolígonos) e também porque que dá um trabalho bem maior de
> corrigir algo que envolva esses caminhos grudados.
>
> Talvez seja o caso de apenas recomendar aos novos usuários (até que um
> dia eles tenham uma compreensão melhor das coisas) que evitem grudar
> áreas nos caminhos (e não afirmar categoricamente "nunca grudar
> áreas").
>
> _______________________________________________
> Talk-br mailing list
> Talk-br em openstreetmap.org
> http://lists.openstreetmap.org/listinfo/talk-br



-- 
Fernando Trebien
+55 (51) 9962-5409

"The speed of computer chips doubles every 18 months." (Moore's law)
"The speed of software halves every 18 months." (Gates' law)



Mais detalhes sobre a lista de discussão Talk-br