[Talk-br] Sobre addr:interpolation - possibilidades

Sérgio V. svolk2 em hotmail.com
Terça Janeiro 3 21:44:18 UTC 2017


Pessoal, compartilho aqui o teste bem sucedido que o Augusto (que está fora do país) conseguiu executar e me enviou, de converter o CNEFE para CSV com coordenadas e abrir direto no JOSM, para os "addr:housenumber" na cidade de Curitiba.

(Augusto, peço se possível disponibilizar o processo para a gente estudar.)


Tá prontinho para importar (só faltaria ajustar as tags : CEP, número do endereço; e converter para "capitalise", minusculização dos nomes de rua).


O resultado ficou desta maneira:


Quadras:

http://i.imgur.com/lJYVAtA.jpg


Cidade:

http://i.imgur.com/oQiHLUo.jpg


"Todos" os endereços de cada face de quadra agrupados em "um" ponto central no meio da face.

A aproximação já fica MUITO boa, a meu ver e pras necessidades comuns que imagino.

O centro do endereçamento ficaria o meio da face de quadra.

Já acho ótimo, considerando os erros comuns também em navegador do Google etc.


A questão que fiquei pensando depois, com os argumentos apresentados, é da conveniência de importar ou não "direto" para a base do OSM; ou se seria melhor manter em uma base paralela (tipo openadress.io) e que seja aberta e tenha garantida total integração com o OSM e para qualquer aplicativo que nele seja baseado:

-O principal argumento contra importar direto ao OSM, que fiquei pensando, é o problema de como controlar se outros eventualmente começarem a alterar, uma vez que são milhões (mesmo) de endereços; se moverem, deletarem, alterarem, etc.

Se der pra ficar numa base como openadress.io, e funcionar em plena integração com tudo do OSM, e permitir controle (manutenção, etc), creio que já resolveria.


Outro argumento a favor de colocar em uma base paralela (não no OSM direto):

Deste modo também fica mais fácil de eventualmente substituir o pacote de pontos de endereço todo, p . ex . quando num futuro próximo se precisar trocar para um posicionamento mais preciso dos endereços (o que certamente acontecerá), ou se quiser alterar a metodologia.


O processo, creio, terá que ser criar arquivos .osm de cadastro para "cada município" (como vem no CNEFE), para fazer a manutenção quando preciso.


Que acham?


De todo modo acho que antes de se começar uma importação em massa ou automatizada, é importante termos o procedimento demonstrado bem claro e aberto, que possa ser aplicado em todo o País, e seja acessível a toda a comunidade, também porque irá precisar que os colaboradores e comunidades de cada região o executem (dado o volume de endereços e arquivos).


Só neste de Curitiba (que pelo que vi pegou "só a região central da cidad"e), deu um arquivo .osm de 23,6 MB e 118.219 nós (o limite de 1 changeset no OSM é 50.000 objetos).


Imaginem todos os 5700 municípios.


- - - - - - - - - - - - - - - -

Sérgio - http://www.openstreetmap.org/user/smaprs
-------------- Próxima Parte ----------
Um anexo em HTML foi limpo...
URL: <http://lists.openstreetmap.org/pipermail/talk-br/attachments/20170103/7eff37ec/attachment.html>


Mais detalhes sobre a lista de discussão Talk-br