[Talk-br] Edição destrutiva no Rio de Janeiro

Fernando Trebien fernando.trebien em gmail.com
Quinta Maio 15 19:30:48 UTC 2014


Dá uma olhada no gráfico chamado "distribution of changeset sizes" no
final da seção "Editor profiles (2012)" nesse artigo:
http://wiki.openstreetmap.org/wiki/Editor_usage_stats#Editor_profiles_.282012.29

O gráfico tá em escala logarítmica. Ali dá pra ver que changesets
maiores são progressivamente mais raros. Por exemplo, changesets com
100 a 200 alterações são 10x mais raros do que changesets com menos de
100 alterações. Changesets com 700 a 800 alterações são 100x mais
raros que os que têm menos de 100 alterações.

O gráfico mostra o número de edições com o Potlatch (editor antigo),
mas eu acredito que seja bem parecido para quem usa o iD. Note também
que os changesets maiores todos tendem a ser feitos usando o JOSM.

Todas essas coisas meio que contribuem para esse julgamento. Eu
arriscaria dizer que, com certeza quase absoluta:
- mais que 2000 alterações é grande (e provavelmente "bem grande") com
qualquer editor
- mais que 1000 alterações é grande se não for feito com o JOSM

Eu acho que mais do que 100 edições é considerado pelo menos "médio" e
é onde já começa a ficar um pouco complicado revisar caso a pessoa não
tenha separado o changeset por assunto. Se o assunto do changeset for
bastante específico, fica bastante simples revisar (pelo menos
teoria), quase independentemente do tamanho do changeset. Isso
significa, por exemplo:
* se o comentário do changeset diz "correções em calçadas", o revisor
não esperaria encontrar alterações em edifícios
* se o comentário do changeset diz "correções de alinhamento", o
revisor não esperaria encontrar alterações em tags
* se o comentário diz "correções e melhorias", não dá pra saber de
antemão o que foi feito
* se o comentário diz "melhorias na praça X e nas proximidades", e a
praça é pequena e são poucos os elementos alterados, ainda é
relativamente simples revisar

Além da dificuldade de compreender o que foi feito, para os mapeadores
o mais importante é o tempo total gasto editando o changeset. Quanto
maior esse tempo, maior a probabilidade de conflitos de edição,
especialmente em áreas com muita gente mapeando. E por enquanto, só o
JOSM tem uma interface para tratar de conflitos. Essa é uma razão para
ser um pouco mais rígido com grandes changesets que não tenham sido
feitos com o JOSM - eles muito provavelmente desfizeram o trabalho de
alguém que editou o mapa simultaneamente.

2014-05-15 14:43 GMT-03:00 Tarcisio Oliveira <tarcisio em ymail.com>:
> Uma pergunta pertinente, quando é que um changeset é considerado grande?
> Sei que vai depender da localidade, se já existe algo no lugar e tal, mas
> tem alguns parâmetros para se basear?
>
> Em 15-05-2014 13:20, Fernando Trebien escreveu:
>
>> Ou me expressando melhor: isso não quer dizer que você pode continuar
>> fazendo changesets:
>> - grandes, em regiões com muita gente mapeando
>> - muito grandes, em qualquer região, sem nos avisar do que se trata
>>
>> Changesets devem ser divididos por assunto. Um changeset grande de um
>> assunto único quase sempre é uma correção em massa, que (como é costume) tem
>> que ser conversada com a comunidade, ou no mínimo muito bem descrita no
>> comentário do changeset. Um changeset grande de assuntos diversos é uma
>> bagunça difícil de conferir (e a gente confere sempre que pode), mesmo que
>> seja inteiramente válido.
>
>
>
> _______________________________________________
> Talk-br mailing list
> Talk-br em openstreetmap.org
> https://lists.openstreetmap.org/listinfo/talk-br



-- 
Fernando Trebien
+55 (51) 9962-5409

"Nullius in verba."



Mais detalhes sobre a lista de discussão Talk-br